É objectivo da CVLTO quebrar a timidez com que A ARTE se move, e não só potenciar mais criação, como fomentar e criar um espaço expositivo legítimo e justo para artistas em começo de carreira.

A CVLTO pretende formar-se e fixar-se no panorama cultural português num registo de criação de conteúdos e discussão de temáticas ao nível das artes visuais, de compilação de artigos de opinião bem estruturados e com um nível de rigor e pesquisa apropriados, e de documentação de eventos dentro da esfera da música e agenda cultural do Porto e Norte do país em particular (e sempre que possível também de outras regiões do país).
Queremos observar um crescente dinamismo de artistas e colectivos, também potenciado pelo que a Galeria pode trazer ao relativamente pequeno mercado artístico português.
Pretende-se que a construção da CVLTO seja feita de artistas para artistas, e que funcione como um espaço de cultura visual, discussão artística, e acima de tudo como uma comunidade que impulsione mais projectos, mais produção artística criativa, mais informação acessível ao público em geral sobre o panorama e os artistas portugueses no activo, e a par de fomentar a procura desse público pela arte que é produzida em Portugal.
A esta comunidade é bem-vindo não só o artista, bem como qualquer indivíduo que demonstre interesse não só pela função de público, como na participação no projecto, seja esta a nível da escrita de um artigo, na apresentação de trabalhos/obras para a Shop, possíveis parcerias e outros.
Construímos a CVLTO não só com a equipa que trabalha no backstage do projecto, mas também através da vossa arte e daquilo que vocês – artistas, músicos, teóricos, performers e activistas que existem por este país fora – têm para oferecer. Tanto, tanto, e tanto de qualidade, para oferecer.



    

Ana Garcia de Mascarenhas

Fundadora, ideóloga e capitã da CVLTO. Pintora. Autora de “CVLTO MANIFESTO”. Passou uma série de anos no backstage da cena musical portuense, no apoio à organização e a fazer cobertura fotográfica. A ideia por trás da CVLTO vem madurando há muitos anos, e foi no final do seu trajecto académico que a Ana percebeu a importância de uma estrutura polivalente como esta, que apoie artistas em princípio de carreira e amplie o alcance de um mundo artístico vedado a muitos.

Licenciada em Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, actual mestranda em Pintura na mesma instituição, com uma passagem pela Ar.Co Lisboa.

    

Gonçalo Sepúlveda

Webdesigner. Geek de design e livros, calígrafo nos tempos livres. Co-fundador da Arcada em 2013. Com uma preocupação especial sobre a função social do design, tema sobre o qual dissertou para o seu mestrado. Trabalha em Design, Branding e Publicidade há sete anos.

Formado em Design Gráfico e Publicidade pela ESEIG, mestre em Design e Projectos Editoriais pela FBAUP.


    

Maria João Ferreira

Produtora. Dona da downclose, nascida em Novembro de 2016. Problem solver de cabeça, artista de coração, fotógrafa de carreira. Há dois anos a trabalhar na produção do Fantasporto, Festival de Cinema Internacional do Porto, e com três edições do festival audiovisual Black and White na cartilha. Conhecedora do movimento musical underground do Porto de ginjeira, há dez anos a fotografá-lo e a rebentar fronteiras nas suas coberturas fotográficas.

Formada em Som e Imagem pela UCP, cursou o mestrado em Gestão de Indústrias Criativas na mesma instituição.


    

Zita Moura

Editora de conteúdos. Jornalista com o jornal MAPA, e artista reformada. O jornalismo tem uma função vital no acesso à cultura e à arte, e a função dela na CVLTO é abrir portas e janelas e esburacar paredes para que toda a gente tenha acesso a informação sobre estes temas de forma democrática e intransigentemente justa.

Formada em Comunicação Social pelo IPC, mestre em Jornalismo e Comunicação pela UC.

Maria Chaves Telheiro

Curadora. Tem as ideias arrumadas, e gosta de arrumar as ideias feitas matéria. Está rodeada de arte e artistas desde que é gente, e isso permitiu-lhe perceber que a arte não pode ter limites nem horizontes palpáveis. Faz parte da equipa da CVLTO para organizar ideias materializadas em arte, e garantir um diálogo entre elas e quem as queira conhecer.

Finalista em Gestão de Património pelo IPP, com uma passagem por História da Arte na UC, e muitos anos de proximidade com arte que não passaram pela academia.